VIVER DÁDIVA É, brasileiro ser,comenda é

VIVER DÁDIVA É, brasileiro ser,comenda é

31 de mai de 2011

BALADA PARA UM LOUCO, QUEM,IO??????




Balada Para Um Louco (viva Os Loucos Que Inventaram O Amor)



informe o(s) compositor(es)



Num dia desses ou, numa noite dessas

você sai pela sua rua ou, pela sua cidade ou,

ou, sei lá, pela sua vida, quando de repente,

por detrás de uma árvore, apareço eu!!!



Mescla rara de penúltimo mendigo

e primeiro astronauta a pôr os pés em vênus.

Meia melancia na cabeça, uma grossa meia sola em cada pé,

as flôres da camisa desenhadas na própria pele

e uma bandeirinha de táxi livre em cada mão.



Ah! ah! ah! Você ri... você ri porquê só agora você me viu.

Mas eu flerto com os manequins,

o semáforo da esquina me abre três luzes celestes.

E as rosas da florista estão apaixonadas por mim, juro,

vem, vem, vamos passear. E assim meio dançando, quase voando eu

te ofereço uma bandeirinha e te digo:



Já sei que já não sou, passei, passou.

A lua nos espera nessa rua é só tentar.

E um coro de astronautas, de anjos e crianças

bailando ao meu redor, te chama:

vem voar.



Já sei que já não sou, passei, passou.

Eu venho das calçadas que o tempo não guardou.

E vendo-te tão triste, te pergunto: O que te falta?

...talvez chegar ao sol, pois eu te levarei.



Ah! Ah! Ah! Ah!



Louco, louco, louco! Foi o que me disseram

quando disse que te amei.

Mas naveguei as águas puras dos teus olhos

e com versos tão antigos, eu quebrei teu coração.



Ah! Ah! Ah! Ah!



Louco, louco, louco, louco, louco! Como um acróbata demente saltarei

dentro do abismo do teu beijo até sentir

que enlouqueçi teu coração, e de tão livre, chorarei.



Vem voar comigo querida minha,

entra na minha ilusão super-esporte,

vamos correr pelos telhados com uma andorinha no motor.

Ah! Ah! Ah!

Do Vietnã nos aplaudem: Viva! viva os loucos que inventaram o amor!

E um anjo, o soldado e uma criança repetem a ciranda

que eu já esqueci...

Vem, eu te ofereço a multidão, rostos brilhando, sorrisos brincando.

Que sou eu? sei lá, um... um tonto, um santo, ou um canto a meia voz.



Já sei que já não sou, nem sei quem sou.

Abraça essa ternura de louco que há em mim.

Derrete com teu beijo a pena de viver.

Angústias, nunca mais!!! Voar, enfim, voaaaarrr!!!



Ama-me como eu sou, passei, passou.

Sepulta os teus amores vamos fugir, buscar,

numa corrida louca o instante que passou,

em busca do que foi, voar, enfim, voaaaarrr!!!



Ah! Ah! Ah! Ah!...



Viva! viva os loucos!!! Viva! viva os loucos que inventaram o amor!

Viva! viva! viva!

> Balada Para un LocoBalada Para un Loco

Astor Piazzolla

Composição : Astor Piazzolla

Las tardecitas de Buenos Aires tienen ese que se yo, viste?

Salgo de casa por Arenales, lo de siempre en la calle y en mi...

Cuándo, de repente, detras de un árbol, se aparece el.

Mezcla rara de penultimo linyera

y de primer polizonte en el viaje a Venus.

Medio melón en la cabeza,

las rayas de la camisa pintadas en la piel,

dos medias suelas clavadas en los pies

y una banderita de taxi libre levantada en cada mano.

Parece que solo yo lo veo,

Porque él pasa entre la gente y los maniquíes le guiñan,

los semáforos le dan tres luces celestes

y las naranjas del frutero de la esquina

le tiran azahares.

Y así, medio bailando y medio volando,

se saca el melón, me saluda,

me regalo una banderita y me dice:



(Cantado)



Ya sé que estoy piantao, piantao, piantao...

No ves que va la luna rodando por Callao,

que un corso de astronautas y niños, con un vals,

me baila alrededor... ¡Bailá! ¡Vení! ¡Volá!



Ya sé que estoy piantao, piantao, piantao...

Yo miro a Buenos Aires del nido de un gorrión

y a vos te vi tan triste... ¡Vení! ¡Volá! ¡Sentí!...

el loco berretín que tengo para vos.



¡Loco! ¡Loco! ¡Loco!

Cuando anochezca en tu porteña soledad,

por la ribera de tu sábana vendré

con un poema y un trombón

a desvelarte el corazón.



¡Loco! ¡Loco! ¡Loco!

Como un acróbata demente saltaré,

sobre el abismo de tu escote hasta sentir

que enloquecí tu corazón de libertad...

¡Ya vas a ver!



(Recitado)



Y asi diziendo, el loco me convida

a andar en su ilusión super-sport

Y vamos a correr por las cornisas

¡con una golondrina en el motor!



De Vieytes nos aplauden: "¡Viva! ¡Viva!",

los locos que inventaron el Amor,

y un ángel y un soldado y una niña

nos dan un valsecito bailador.



Nos sale a saludar la gente linda...

Y loco, pero tuyo, ¡qué sé yo!:

provoca campanarios con su risa,

y al fin, me mira, y canta a media voz:



(Cantado)



Quereme así, piantao, piantao, piantao...

Trepate a esta ternura de locos que hay en mí,

ponete esta peluca de alondras, ¡y volá!

¡Volá conmigo ya! ¡Vení, volá, vení!



Quereme así, piantao, piantao, piantao...

Abrite los amores que vamos a intentar

la mágica locura total de revivir...

¡Vení, volá, vení! ¡Trai-lai-la-larará!



(Gritado)



¡Viva! ¡Viva! ¡Viva!

Loca el y loca yo...

¡Locos! ¡Locos! ¡Locos!

¡Loca







5 comentários:

  1. Parabéns pela partilha de tanta beleza!
    Abençoada a loucura dos Poetas,dos
    artistas!
    Beijo.
    isa.

    ResponderExcluir
  2. Querido Ricardo!

    Qual loucura qual quê?

    Tens o coração dilacerado pela perda da nossa amiga...

    Por favor, pensa que o sol que a protegia e o mar que a escutava e entendia seus lamentos, cada dia, todos os dias... se acalmou agora, por saber que já não sofre.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Amigo,

    Não é loucura... é poesia!...

    Beijinhos de Minas.

    ResponderExcluir
  4. "as flôres da camisa desenhadas na própria pele"

    é belo florir..



    beijo,
    querido borboleto.

    ResponderExcluir
  5. Querido amigo e poeta, a Balada para um Louco, diz tudo aquilo que muitas vezes queremos fazer ou dizer, mas não temos coragem. Voar, enfim...voarrrrrrrr...
    E essa dança maravilhosa, o tango, que coisa linda, sensual, sempre visualizo a cena de "Perfume de Mulher" com Al Pacino dançando lindamente. Lindo post. Beijocas

    ResponderExcluir